terça-feira, 27 de outubro de 2015

"É necessário sair da ilha para ver a ilha, não nos vemos se não nos sairmos de nós". José Saramago
Qual é o propósito de nos iludirmos na infância e nos desiludirmos na idade adulta? Crescer? Mas, o crescimento não devia ser contínuo? Então, porque o trabalho de iludir para desiludir? Para crescer é preciso ser-se contrário – ou seja, fazer algo e o seu contrário? Ou será que nós, na verdade, nunca chegamos a crescer? 

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

"Have you ever been in love? ... Then you can photograph." - Ansel Adams.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Deveras curioso será pensar na dificuldade de escrever. Ou seja, é fácil de dizer, é fácil de explicar, mas escrever torna-se complicado. E à medida que o grau académico cresce, a apetência decresce. Contudo, parece que as palavras voam se não forem obrigadas a existir. Por isso, escrever-se mal nem sempre quer dizer que sejamos maus como "escritores".
Cuidado com aquilo que se pede, porque pode vir mais rápido do que aquilo que se quer.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

(Não sei bem a quem!)


No alento da alma, a tua presença procurei.
Sabe que através dela o amor encontrei.
Se agora viesses, saberias que amei.
Já que dizes que nada sabes: a tua ausência crucifiquei!

De tão grande aparição,
Acredita no que digo:
Sabe que esta paixão
É de invejar o João.

Digo-te outra vez:
(Sabes bem que é verdade!)
O meu amor é rei
 E por ele seremos  padres.

Agora despeço-me.
(Não sei bem a quem!)
O nosso amor é um filho
E dele seremos pais.



(Por falar ‘não sei bem a quem!’ é que este textinho foi aparecendo. Destinando-o directamente a alguém seria de todo impossível.)

domingo, 29 de dezembro de 2013

"Eu sou contraditório, eu sou imenso. Há multidões dentro de mim." Walt Whitman